Melatonina: o hormônio da pineal fornece mais que uma boa noite de sono

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Estudos mostram que a Melatonina fornece mais que uma boa noite de sono

sono melatonina

by Luke Sumpter

A melatonina é um hormônio produzido na glândula pineal humana, uma glândula do tamanho de uma ervilha localizada na parte superior do cérebro bem no meio dos dois hemisférios cerebrais. Parte de seu papel crucial é regular o ritmo circadiano e, portanto, modular o ciclo sono-vigília.

Para além de reduzir o tempo que se leva para adormecer e melhorar a qualidade do sono, a melatonina pode ser também eficaz em reduzir a ansiedade. Um documento intitulado “Facilitação da descontinuação de benzodiazepínicos por melatonina” afirma que “a liberação controlada de melatonina pode efetivamente facilitar a interrupção da terapêutica com benzodiazepinas, mantendo a boa qualidade de sono.” Benzodiazepínicos são prescrito por médicos para doenças como ansiedade e insônia. No entanto, ironicamente, como relatado por Drugs.com, “comportamentos de sono incomuns e amnésia anterógrada podem ocorrer” como um efeito colateral potencial de tomar a droga. E porque o sono é um estado absolutamente essencial que dá ao corpo o tempo de inatividade que ele precisa para curar, a melatonina oferece muitos outros benefícios além de reduzir a ansiedade e dar-lhe uma boa noite de sono. Veja porque.

Lançando uma luz sobre a Insônia

A exposição à luz brilhante inibe diretamente a produção de melatonina, uma vez que a pineal não vai liberar o hormônio, a menos que um ambiente mal iluminado seja fornecido. Em condições de baixa luz e escuro a melatonina é bombeada para a corrente sanguínea e os níveis sobem rapidamente, diminuindo o estado de alerta e dando as boas-vindas ao sono.

A equipe Reset falou com Dennis Hill, que tem licenciatura em bioquímica pela Universidade de Houston e tem trabalhado na pesquisa médica sobre o papel da melatonina nos ciclos de sono e do corpo humano na Universidade do Texas MD Anderson Hospital.

“A melatonina em seres humanos e outros animais é um hormônio que sincroniza o sono e também é um antioxidante eficaz”, Hill explica. “A melatonina é sintetizada na glândula pineal a partir do L-triptofano. A síntese começa à noite quando o crepúsculo desce, em seguida, termina com o amanhecer. Deste modo, a melatonina pode ser utilizada de forma terapêutica em desordens do ritmo circadiano.

A Norepinefrina inibe a melatonina. Como a luz estimula a norepinefrina, a melatonina é diminuída. Quando a luz é reduzida, a norepinefrina não inibe a produção de melatonina. A melatonina é finalmente eliminada do corpo pelo fígado”.

Hill especifica exatamente o fator que permite níveis de iluminação a ditar a produção do hormônio: “Não é a plena luz do dia que é o inibidor de melatonina, mas apenas a luz azul no espectro de 460 a 480nm. Isto permite uma certa gestão clínica da bioatividade de melatonina com lentes de bloqueio de luzes azuis”.

A cultura ocidental tornou-se extremamente acostumada, seus habitantes que passam muitas noites sentados em salas escuras, iluminadas por características faciais, telas emissoras de luz azul. Tal exposição nas horas tardias da noite foi demonstrada suprimir a produção de melatonina, e pode levar à insônia crônica.

O lado Negro da Luz da Noite

A Harvard Health Publications, a divisão de mídia da prestigiada Harvard Medical School, lançou um Harvard Health Letter intitulado “A luz azul tem um lado negro.” O relatório observa que  “Estudo após estudo tem vinculado: trabalhar no turno da noite e exposição à luz durante a noite à vários tipos de câncer de mama, próstata, diabetes, doenças cardíacas e obesidade. Não é exatamente claro por que a exposição à luz noturna parece ser tão ruim para nós. Mas sabemos que a exposição à luz suprime a secreção de melatonina, um hormônio que influencia o ritmo circadiano, e há alguma evidência experimental (ainda preliminar) que os níveis mais baixos de melatonina podem explicar a associação com o câncer”.

Sem um correto sono definido, nosso corpo não pode se beneficiar adequadamente da cura profunda que ocorre naturalmente durante o sono, nem podemos acessar totalmente os outros benefícios biológicos da melatonina. Mas se se trata de fatores externos ou internos que provocam uma falta de melatonina em pessoas que sofrem de distúrbios do sono, não é indubitável uma correlação entre a falta de sono e a doença. Isto talvez, porque a melatonina também ocorre de ser um antioxidante extremamente poderoso com propriedades que combatem o câncer em potencial.

Hill explica este mecanismo: “No seu papel como um antioxidante, a melatonina é um captador de radicais livres de largo espectro que pode atravessar a barreira sangue-cérebro (hemato-encefálica), bem como as membranas celulares. Nesta capacidade, a melatonina é altamente eficaz na redução brusca de moléculas de oxigênio livres na mitocôndria gerados durante a síntese mitocondrial de trifosfato de adenosina (ATP). Além disso, até os metabolitos da melatonina são uma cascata de antioxidantes”.

O Poder de Cura de melatonina

Antioxidantes, tais como a melatonina, são moléculas potentes que abrigam a capacidade de neutralizar as moléculas nocivas e prejudiciais no interior do organismo conhecido como radicais livres. Os radicais livres causam problemas biológicos na forma de danos oxidativos. De acordo com o Centro de Ciências de Saúde Ambiental em Sydney, na Austrália, “A evidência está apontando que a maioria das doenças degenerativas que afligem a humanidade têm sua origem em reações de radicais livres nocivos. Essas doenças incluem aterosclerose, câncer, doenças de inflamações das articulações, asma, diabetes, demência senil e doenças degenerativas dos olhos.”

Um documento publicado pelo Centro de Ciências da Saúde e Ambiente da Universidade do Texas explica que:

“funções da melatonina como um antioxidante incluem:

a) a eliminação direta de radical livre;

b) a estimulação de enzimas antioxidantes;

c) aumentar a eficiência da fosforilação oxidativa mitocondrial e reduzir o “vazamento” de elétrons (diminuindo assim a geração de radicais livres), e

d) aumentar a eficiência de outros antioxidantes.”

O documento passa a acrescentar que, “Pode haver outras funções da melatonina, ainda desconhecidas, que aumentam a sua capacidade de proteger contra danos moleculares por oxigênio e reagentes tóxicos à base de nitrogênio”.

O estresse oxidativo causado pelos danos dos radicais livres é um contribuinte provável no sentido de inúmeras doenças neurodegenerativas. Publicação da Universidade de Ankara na Turquia afirma que “o stress oxidativo tem implicado no desenvolvimento de doenças neurodegenerativas como a de Parkinson, doença de Alzheimer, doença de Huntington, epilepsia, acidente vascular cerebral “derrame”, e por contribuir para o envelhecimento e alguns tipos de câncer.” No documento, além de comentar sobre a melatonina “captador de radicais livres e propriedades antioxidantes”, o autor também observa sua capacidade de regular a atividade e expressão de outras enzimas antioxidantes e pró-oxidantes.

Devido a esta propriedade, em particular, a melatonina tem se mostrado promissora como um potencial tratamento para câncer e várias formas da doença. Pesquisadores da Universidade da Cantábria, na Espanha divulgaram um documento que explora a ligação entre câncer de mama e as ações “oncostáticas” (anticancerígenas) da melatonina. OS autores do estudo do estado da melatonina: “regula a atividade das aromatases, as enzimas responsáveis ​​pela síntese local de estrogênios, comportando-se assim como um modulador de enzimas de estrogênio seletivo”.

Esta capacidade de controlar a produção de estrogênio significa que a melatonina é promissora como um potencial tratamento para cânceres que dependem do excesso de estrogênio, tais como certos tipos de câncer de mama. Os autores do estudo da Universidade de Cantabria concluíram que, “A mesma molécula tem ambas as propriedades de neutralizar seletivamente os efeitos dos estrogênios sobre o peito e a biossíntese de estrógenos locais de andrógenos, um dos principais objetivos das estratégias terapêuticas farmacológicas antitumorais recentes. São estes mecanismos de ação que formam a melatonina um fármaco anticancerígeno interessante na prevenção e no tratamento de tumores dependentes de estrogênio, uma vez que tem a vantagem de atuar em diferentes níveis das vias de sinalização de estrogênio”.

Este hormônio pineal multifuncional e poderoso também tem demonstrado ser eficaz na limitação do crescimento de células de câncer de próstata. O Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Texas publicou um artigo que se inicia com a afirmação: “A melatonina, principal produto de secreção da glândula pineal, inibe o crescimento de vários tipos de células cancerosas. A melatonina limita o crescimento de células de cancro na próstata humana por um mecanismo que envolve a regulação da função do receptor de androgênio, mas não é claro se outros mecanismos também podem estar envolvidos”.

O estudo envolveu uma série de ambas as células – andrógeno-dependentes e independentes – de câncer da próstata que foram tratados com melatonina. Verificou-se que ambos os tipos de células foram reduzidos em número e cessaram a progressão do ciclo celular. Os autores do estudo concluem que, “Melatonina influencia marcadamente o estado proliferativo das células cancerosas da próstata”.

Além disso, uma revisão publicada por uma equipe com base na Universidade de McMaster, no Canadá, que analisou ensaios clínicos randomizados (ECR) de melatonina em pacientes com câncer de tumores sólidos, também constatou que o hormônio é altamente benéfico. Em particular, os pesquisadores analisaram como a melatonina afetou a taxa de sobrevivência durante o primeiro ano da doença. Foram observados 10 ensaios clínicos randomizados e um total de 643 pacientes. Com base nos resultados, os autores afirmaram que: “A redução substancial no risco de morte, os poucos eventos adversos relatados e baixos custos relacionados com esta intervenção sugerem um grande potencial da melatonina no tratamento do câncer”.

Maximizando sua Melatonina

Nossos corpos produzem naturalmente melatonina, no entanto, como mencionado anteriormente, existem inúmeros fatores que podem limitar a produção ideal. Abaixo estão algumas técnicas comprovadas para melhorar a capacidade do nosso corpo de produzir o hormônio melatonina, bem como formas de evitar que fatores ambientais a prejudiquem.

#Meditação

meditarO vasto catálogo de benefícios à saúde que esta velha técnica mental oferece parece ser cada vez maior. Estimular os níveis de melatonina parece ser uma outra vantagem que vem com a prática de longo prazo da meditação. Publicação do Hospital Universitário Ulleval na Noruega documenta um estudo que mediu tanto a melatonina no plasma quanto as concentrações de serotonina no sangue de meditadores avançados do sexo masculino antes e depois de uma meditação longa de uma hora. Os autores concluem, “Os resultados sugerem que os meditadores avançados têm níveis de melatonina mais elevados do que os não praticantes de meditação”. No entanto, os pesquisadores notaram que o efeito se fora depois de uma hora e que: “A melatonina diminui durante a longa meditação.” Então, se você está com a visão de usar a meditação para aumentar a melatonina, pode ser melhor manter sua prática curta e dormir bem!

#Expor-se à luz do dia

sunset-926762_1280Uma publicação da Harvard Medical School afirma que a exposição à luz intensa durante o dia irá aumentar a capacidade do corpo de dormir durante as horas noturnas, bem como contribuir para a sensação de bem-estar e estado de alerta durante o dia. A exposição à luz do dia mantém o nosso relógio biológico interno, ou ritmo circadiano em equilíbrio, resultando em melhor secreção de melatonina durante as horas de sono adequadas.

#Evite luzes brilhantes de duas a três horas antes da hora de dormir

Ficar usando eletrônicos com telas brilhantes antes da hora de dormir pode suprimir a secreção de melatonina. Todos os tipos de luzes vão contribuir para essa supressão, no entanto a luz azul é a pior responsável. Como luzes vermelhas têm um menor efeito na mudança do ritmo circadiano, é aconselhável usar luzes vermelhas durante a noite e especialmente antes de dormir. Vidros contendo lentes de bloqueio de luzes azuis também podem ser utilizados quando se usa dispositivos eletrônicos antes de dormir, a fim de proteger  a melatonina suprimindo raios de luz azul.

#Coma Cerejas

sour-cherry-764054_1280Um estudo realizado no Centro Médico da Universidade de Rochester, em Nova York analisou os efeitos do suco de cereja em adultos mais velhos que sofrem de insônia. O sumo foi associado com uma melhoria significativa em todas as unidades de medida, em comparação com o placebo, incluindo uma significativa redução na severidade da insónia. O estudo foi então repetido com a intenção de medir os níveis de melatonina. Os autores concluíram que, “Estes dados sugerem que o consumo de um concentrado de suco de cerejas, proporciona aumento de melatonina exógena que é benéfica para melhorar a duração e qualidade do sono em homens e mulheres saudáveis ​​e pode ser benéfico na gestão de distúrbios do sono”.

É importante notar que as cerejas doces têm 50 vezes menos melatonina do que as cerejas ácidas.

Outros alimentos ricos em melatonina incluem nozes, pimentão, sementes de linhaça e tomates.

#Coma alimentos ricos em triptofano

vegetables-752153_1280A serotonina, derivada do aminoácido triptofano, é um precursor da melatonina. O triptofano é um aminoácido essencial e tem a capacidade de atravessar a barreira hemato-encefálica. Alimentos ricos em triptofano incluem: espinafre, agrião, bananas, e sementes de girassol.

Fonte: Reset.me

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *