ESTUDO: AYAHUASCA AJUDA A ENFRENTAR A DEPRESSÃO ONDE REMÉDIOS FALHAM

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Estudo: Ayahuasca ajuda a enfrentar a Depressão onde remédios falham

Por Aaron Kase

banisteriopsis_caapiA Ayahuasca e outras substâncias psicodélicas estão ganhando a reputação de serem remédios potentes na luta contra diversos transtornos mentais. Um novo estudo fora do Brasil adiciona evidências, sugerindo que a ayahuasca pode ser eficaz contra a depressão, mesmo quando as intervenções farmacêuticas falham.

Uma poderosa substância, em forma de chá como tem sido tradicionalmente usada pelas culturas nativas na Amazônia para exploração e cura espiritual. Bebidas Ayahuasca são fabricadas a partir de derivados de duas plantas da selva, o cipó Banisteriopsis caapi e a planta arbustiva Psychotria viridis. Seu principal ingrediente ativo é conhecido como DMT (Dimetiltriptamina), e que pode ajudar a induzir jornadas espirituais completas com visões e profundas experiências emocionais.

Na mais recente investigação científica da bebida fermentada, seis participantes que sofrem de depressão tomaram ayahuasca em um estudo realizado na Universidade de São Paulo, Brasil. Os voluntários, que já haviam passado por tratamentos antidepressivos farmacêuticos ineficazes, começaram a sentir alívio de seus sintomas em apenas algumas horas. Os resultados positivos permaneceram por semanas depois, muito depois de os efeitos psicodélicos da ayahuasca terem se ido. Enquanto isso, os participantes não relataram efeitos colaterais negativos, além de alguns vômitos iniciais, que são uma reação comum ao beber ayahuasca.

“Estes resultados sugerem que AYA tem efeitos ansiolíticos e antidepressivos de ação rápida em pacientes com um transtorno depressivo”, conclui o estudo.

“É uma prova de conceito do que tantos usuários de ayahuasca ritualística já sabem: ayahuasca pode ajudar a sentir-se extremamente bem, não apenas durante a experiência, mas por dias e até semanas depois”, Brian Anderson, um psiquiatra da Universidade da Califórnia, San Francisco, disse à Nature. “A relação entre efeitos psicodélicos da ayahuasca e seus efeitos terapêuticos precisa ser estudada empiricamente.”

Por enquanto, os resultados são promissores, se não conclusivos. Porque o tamanho da amostra do estudo era pequeno e não houve grupo controle, é impossível descartar uma explicação por efeito placebo. No entanto, existem propriedades das plantas da ayahuasca que são semelhantes aos agentes antidepressivos conhecidos, de acordo com a Nature, por isso não é improvável que os efeitos da quebra da depressão vão durar até mais investigações.

Outros estudos recentes têm mostrado que os psicodélicos DMT e outros como a psilocibina e LSD podem neutralizar distúrbios como Transtorno de Estresse Pós Traumático (TEPT), vício e ansiedade. As pessoas que os usam são menos propensas a serem suicidas, e podem experimentar uma diminuição da ansiedade relacionada à morte. Outro estudo não encontrou nenhuma ligação entre a ingestão de psicodélicos e a ocorrência de transtornos mentais. Um programa piloto até mesmo está oferecendo ayahuasca para criminosos violentos no Brasil em um esforço para reduzir a reincidência.

Mais investigações aguardam. DMT é uma substância controlada de Classe I pela Convenção das Nações Unidas sobre Substâncias Psicotrópicas, embora a planta em si não seja. Bebidas de ayahuasca são ilegais nos Estados Unidos sob a Lei de Substâncias Controladas – exceto para fins religiosos específicos – é proibida em muitos outros países também. Consequentemente, a investigação sobre os seus efeitos terapêuticos é limitada. No entanto, a ayahuasca é legal para fins religiosos no Brasil, onde o estudo mais recente ocorreu.

O próximo passo, dizem os pesquisadores, é expandir seus experimentos para abranger mais pessoas e incluir um grupo controle para comparar os resultados. Pelo menos um desses estudos, já está em andamento, o que poderia ser uma boa notícia para as pessoas que lutam com a depressão que não querem transformar suas vidas pela indústria farmacêutica. A solução pode estar esperando por elas na selva o tempo todo.

Fonte

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *