7 Maneiras comprovadas de superar a depressão Naturalmente

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

7 maneiras comprovadas de superar a depressão naturalmente

curar depressãoOs tratamentos usuais para a depressão são os medicamentos antidepressivos de prescrição que, em teoria, funcionam aumentando os níveis de neurotransmissores responsáveis por “sentir-nos bem” substâncias químicas do cérebro. Mas a prescrição de antidepressivos funciona para menos da metade de quem tenta e tem uma alta taxa de recaída. Há evidências de que eles não são mais eficazes do que um placebo, mas tem muito mais efeitos colaterais.

Caso você tenha seguido a rota médica com pouco sucesso ou esteja hesitante em tentar a medicação, você pode se sentir sem esperança – que haja pouco mais você possa fazer. Mas, felizmente, existem muitas maneiras naturais para tratar a depressão cuja eficácia tenha sido cientificamente comprovada, muitas vezes tão bom quanto ou melhor do que os antidepressivos.

Abaixo segue um olhar sobre algumas das melhores maneiras naturais para vencer a depressão.

#1 Evite alimentos processados

Há um debate em curso sobre qual é a melhor maneira de comer para a saúde geral e saúde mental?

É paleo, vegetariano, alimentos crus, sem glúten, ou a dieta mediterrânica? Eu não vou tentar convencê-lo aqui de qual é a dieta mais saudável – a melhor dieta para você pode não ser o melhor para todos os outros. Mas uma coisa as dietas saudáveis ​​têm em comum, é que eles se concentram em comer comida de verdade.

Alimentos processados, fast food e comerciais assados ​​estão associados à depressão. Os benefícios de comer alimentos não transformados são dois. Primeiro, ele aumenta suas chances de obter as vitaminas, minerais, aminoácidos e outros nutrientes que seu cérebro necessita para funcionar. E em segundo lugar, elimina aditivos conhecidos por contribuir para a depressão como o açúcar branco, MSG (ácido glutâmico livre processado) e adoçantes artificiais.

#2 Coma gorduras saudáveis

Além de comer alimentos não transformados, a outra regra dietética para a depressão é comer em abundância gorduras saudáveis. O cérebro é em grande parte feitos de gordura – cerca de 60 por cento em seu peso seco. Uma grande quantidade de colesterol que é 25 por cento de colesterol do corpo reside no cérebro. Colesterol, apesar do que nos foi dito, não causa doença cardíaca. Mas muito pouco colesterol aumenta o risco de depressão e até suicídio. Dr. David Perlmutter, autor do livro best-seller Grain cerebral, descobriu em sua prática de neurologia que nada era pior para os cérebros dos seus pacientes do que uma dieta de baixa gordura. Ele recomenda comer uma abundância de gorduras saudáveis ​​como nozes, abacate, óleo de coco, azeite de oliva, salmão selvagem e carne de animais criados a pasto.

A investigação descobriu que quanto mais gorduras trans insalubres você consome, maior será o seu risco de depressão. O simples ato de substituição de óleos vegetais que contêm gorduras trans, como o óleo de canola, com azeite diminui o risco de depressão em quase 50 por cento. O óleo de coco, recentemente redescoberto como uma gordura saudável, alimenta exclusivamente o cérebro com ácidos graxos de cadeia média. É tão eficaz para a depressão como antidepressivos prescritos.

Pessoas com depressão tendem a ter baixos níveis sanguíneos de ômega-3, os ácidos graxos essenciais. Ômega-3 é um componente estrutural integrante das membranas celulares do cérebro e células nervosas. Um ómega-3, em particular, que é crítico para a função cerebral é o ácido docosa-hexaenóico (DHA). Deficiência de DHA está ligada a depressão, a doença bipolar e esquizofrenia. As melhores fontes alimentares de gorduras omega-3 e DHA são peixes gordos de água fria como salmão e sardinha. Se estes não são uma parte regular de sua dieta, considere tomar um óleo de peixe ou um suplemento de DHA.

#3 Faça Exercício Físico

exercício físicoO exercício físico é uma das melhores coisas que você pode fazer para elevar o seu humor. Ele aumenta a circulação para fornecer mais oxigênio, glicose e nutrientes ao cérebro enquanto limpa as toxinas e detritos metabólicos. Exercícios constroem um cérebro saudável, aumentando os níveis de substâncias químicas no cérebro que promovem a formação de novas células cerebrais e novas conexões neurais. Na verdade, o cérebro se reorganiza para que responda melhor ao estresse. O exercício físico regular demonstrou funcionar melhor para a depressão do que os ISRS (inibidores de recaptação de serotonina seletivos), as drogas geralmente prescritas para a depressão.

Dr. John Ratey, psiquiatra renomado e autor de Spark: The Revolutionary New Science of Exercise and the Brain, estudou extensivamente o impacto do exercício físico sobre o cérebro. Ele descobriu que o exercício é a ferramenta mais poderosa que você tem para otimizar sua função cerebral e que ele funciona bem como o Zoloft para depressão. De acordo com Ratey, aqui está como o exercício funciona: “Além de aumentar endorfinas, o exercício também aumenta os nossos níveis de endocanabinóides do corpo e do cérebro, fatores de crescimento do cérebro (BDNF) e regula todos os neurotransmissores alvo de antidepressivos.”

Se possível, exercitar ao ar livre que é consideravelmente mais benéfico do que o exercício no interior de ambientes. Exercício ao ar livre aumenta a vitalidade, entusiasmo, prazer e autoestima, enquanto reduz a tensão, depressão, fadiga e até mesmo melhor do que o exercício no interior. Exercício ao ar livre ajuda a restaurar o seu ritmo circadiano para ajudá-lo a dormir. Sob as circunstâncias corretas, pode ajudar a reabastecer suas valiosas “lojas” de vitamina D. A vitamina D pode elevar o seu humor e evitar as depressões do inverno. Surpreendentemente, o exercício que você faz hoje pode protegê-lo de depressão por até cinco anos, mesmo se você decidir parar de se exercitar. Mas com todos esses grandes benefícios, por que você quer parar?

#4 A prática da meditação

meditaçãoA evidência é esmagadora que a meditação regular é uma das melhores maneiras de curar a depressão. Pesquisadores da Universidade Johns Hopkins filtrando através de mais de 18.000 estudos de meditação concluiu que a meditação é benéfica para os transtornos mentais de todos os tipos e um dos seus melhores usos é para a depressão. Meditação funciona em muitos níveis. Ele aumenta os níveis de serotonina, a sua “molécula de felicidade”, e ácido gama-aminobutírico (GABA), o neurotransmissor relaxante e reduz os níveis de cortisol, o hormônio do estresse, o que contribui significativamente para a depressão. Além disso, coloca-se o fogo de inflamação do cérebro, que está associado com a depressão. E isso acalma a mente e reduz o diálogo interno negativo, um problema para todos, mas especialmente para aqueles com um transtorno de humor.

Usando os poderes de cura da mente vai além da meditação tradicional também. De acordo com a Universidade de Maryland Guia de Medicina Complementar e Alternativa, depressão responde favoravelmente a técnicas mente-corpo de todos os tipos, não apenas meditação de cura. Uma lista parcial inclui a imaginação guiada, auto-hipnose, yoga, exercícios respiratórios, treinamento autógeno, acupuntura, biofeedback e neurofeedback.

#5 Desenvolver uma atitude de gratidão

Você não tem que esperar até a Ação de Graças para contar suas bênçãos. Incorporar uma prática diária da gratidão pode melhorar sua saúde, relacionamentos, auto-estima, e sono. A pesquisa mostra que ela também pode fazer você mais feliz. Gratidão e depressão parecem ser inversamente proporcionais.

gratidãoNos estudos, as pessoas que estão deprimidas expressam quase 50 por cento menos gratidão do que grupos de controle. Por outro lado, quanto mais grato um pessoa é, menos deprimida é provável que ela seja. Robert A. Emmons, Ph.D., professor de psicologia na Universidade da Califórnia, é considerado perito científico líder mundial em gratidão. Sua pesquisa confirma que a gratidão efetivamente aumenta a felicidade e reduz a depressão. A gratidão pode funcionar, reduzindo as emoções tóxicas subjacentes, como inveja, frustração, ressentimento e pesar.

Uma maneira fácil de começar a sua prática de gratidão é anotar três coisas que você é grato para cada noite. Se você não pode pensar em nada, não há problema em começar pequeno. Oprah Winfrey, um entusiasta da gratidão, recomenda começar com o básico como ter uma cama para dormir, se isso é tudo que você pode pensar. Se você não quer tomar a caneta e o papel, você pode usar um aplicativo como Gratidão 365. O importante é criar um novo hábito. Praticar a gratidão cria uma onda de produtos químicos do cérebro que melhoram o humor como dopamina, serotonina e ocitocina.

#6 Experimente ervas medicinais para a depressão

Ao adotar um estilo de vida saudável é sempre recomendado que sempre será insuficiente para conquistar o cão negro da depressão. Remédios de Ervas podem ajudar. Você pode se surpreender ao saber que remédios à base de plantas têm sido utilizados medicinalmente para tratar a depressão em toda cultura tradicional. Aparentemente, a depressão não é apenas uma doença moderna. Muitas dessas ervas tradicionais têm sido cientificamente comprovadas como tão eficazes quanto antidepressivos e algum aumento da eficácia dos medicamentos quando tomados em conjunto.

Rhodiola roseaNa medicina tradicional chinesa, a Raiz do Ártico (Rhodiola rosea), ginseng asiático (Panax ginseng) e ginkgo (Ginkgo biloba) têm sido utilizados para a depressão durante milhares de anos. Agora a ciência está começando a entender como essas antigas ervas funcionam.

A Raiz do Ártico aumenta a atividade dos neurotransmissores que melhoram o humor serotonina, norepinefrina e dopamina. É particularmente útil para a depressão acompanhada de ansiedade e fadiga ou que é causada por transtorno afetivo sazonal (SAD). Raiz do Ártico reduz os sintomas de depressão mais rápido do que medicamentos antidepressivos, muitas vezes trazendo alívio em menos de uma semana.

Ginkgo biloba é um dos remédios à base de plantas mais populares do planeta. É mais comumente usado como um impulsionador da memória, mas é ainda mais eficaz para a depressão do que para a perda de memória. Ele é conhecido por sua capacidade de aumentar o fluxo sanguíneo para o cérebro. Ele aumenta os níveis de dopamina e serotonina enquanto reduz os níveis de cortisol, o hormônio do estresse.

A maioria das pessoas toma ginseng asiático para aumentar a resistência física ou melhorar sua vida sexual, mas também é benéfico tanto para depressão como para ansiedade. É o principal ingrediente na fórmula de ervas chinesa tradicional Kai Xin San, uma combinação de ervas que é tão boa quanto o Prozac para tratar a depressão.

A Índia tem a sua própria tradição de cura conhecida como medicina ayurvédica. Uma das ervas ayurvédicas mais importantes é ashwagandha (somnifera). Tem sido usada por mais de 3000 anos como um tônico geral para afastar o estresse e envelhecimento. Ashwagandha se destaca em sua capacidade de reduzir o estresse por reduzir o cortisol, tornando-se uma boa escolha para a depressão relacionada ao estresse acompanhada de ansiedade e insônia. Ao contrário de alguns suplementos que não devem ser tomados juntamente com medicamentos, ashwagandha foi demostrado funcionar em sinergia com SSRIs.

cúrcumaOutro antidepressivo da Ayurveda é a especiaria cúrcuma (Curcuma longa), conhecida por suas propriedades de melhoras cerebrais. Esta especiaria tem um papel importante nas tradições culinárias da Índia e sul da Ásia. A maioria dos estudos têm sido feitos sobre o principal ingrediente ativo no açafrão, a curcumina. A curcumina age elevando os níveis de dois neurotransmissores responsáveis por “nos sentirmos bem” a serotonina e a dopamina. É tão eficaz para a depressão como Prozac mesmo para transtorno depressivo maior e, ao contrário da medicação, é seguro tomar indefinidamente. Como a ashwagandha, a curcumina aumenta a eficácia dos antidepressivos.

Você pode estar familiarizado com o açafrão como tempero culinário usado na culinária indiana e persa. Pode não estar na sua prateleira de temperos, já que é uma das especiarias mais caras do mundo, mas o que não é amplamente conhecido sobre o açafrão é que ele é um dos remédios à base de plantas mais promissores para depressão. Ele age atuando sobre o metabolismo da serotonina e é tão eficaz para a depressão como Prozac (soa familiar até agora?). Se você decidir dar açafrão complementa uma tentativa, certifique-se de comprar um suplemento que contém um extrato padronizado de Crocus sativus. Este açafrão é caro, açafrão fraude é crescente.

#7 Use remédios homeopáticos

A homeopatia é uma prática de cura controversa. A comunidade médica acredita que em grande parte a homeopatia é charlatanismo e que, se ele funciona em tudo, é devido ao efeito placebo. Isso é irônico já que não há evidências de que os antidepressivos não são mais eficazes do que um placebo – e têm muito mais efeitos colaterais! Mesmo muitos que acreditam no poder de cura de ervas e suplementos nutricionais consideram homeopatia “remédios à base de plantas fracos” – nada mais do que ervas muito “aguadas”. Se você está entre os céticos, talvez você se surpreenda ao saber que a homeopatia pode funcionar tão bem para a depressão como os antidepressivos prescritos.

A chave para a homeopatia é encontrar o remédio específico que funciona para você. Desde one-size-fits-all raramente funciona com qualquer coisa, isso não é diferente do que encontrar o medicamento certo ou suplemento nutricional. Para melhores resultados, procure o aconselhamento profissional de um médico homeopata treinado. Se isso não for possível, você pode aumentar suas chances de sucesso com um remédio homeopático multi-ingrediente especificamente formulado para a depressão.

Segundo o psiquiatra Dr. Stuart Watson, que já publicou dezenas de trabalhos de pesquisa científica sobre transtornos do humor, alguns dos melhores remédios homeopáticos para a depressão incluem Arsenicum album, Aurum metallicum, amara Ignatia, Lachesis muta, Natrium muraticum, Pulsatilla nigricans e Sépia. Depois de encontrar o remédio certo, os estudos mostram que o remédio homeopático adequado pode funcionar tão bem como uma prescrição de antidepressivos mesmo para depressão moderada a grave. [Via reset.me]

Trad.: Tais Queiroz

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *