PESQUISA REVELA QUE PLANTAS PODEM PENSAR, ESCOLHER E LEMBRAR

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Pesquisa revela que plantas podem pensar, escolher e lembrar

Sayer Ji, Green Med Info

A ciência moderna está apenas começando a chegar à sabedoria dos antigos: as plantas possuem senciência e uma forma rudimentar de inteligência.

oplant-1024x483

As plantas são muito mais inteligentes e capazes do que nós acreditamos. Na verdade, a investigação provocativa a partir de 2010 publicado na Plant Signaling & Behavior propõe que uma vez que elas não podem escapar de estresses ambientais na forma de animais, elas desenvolveram uma “sofisticada, fisiologia altamente responsiva e dinâmica”, que inclui os processos de informação, tais como “avaliação biológica de quantidade/porção” e “memória celular de luz/ iluminação” que poderia ser descrito como formas de inteligência da planta. Intitulado, “Secret life of plants: from memory to intelligence“, o estudo destaca um particular “superpoder” de plantas indicadoras de seu sucesso como seres inteligentes:

“Há árvores vivas que germinaram muito antes de Jesus Cristo nascer. Que tipo de sabedoria de vida evoluiu nas plantas para tornar possível a elas sobreviver e se propagar por tão longo tempo no mesmo lugar que germinaram? “

De acordo com os pesquisadores de plantas:

“plantas realmente funcionam como um dispositivo de avaliação biológica de quantidade que é capaz de processar informação quântica criptografada na intensidade da luz e em sua energia.”

Este processamento de informação inclui um mecanismo para o processamento de informações memorizadas. Por exemplo:

“… As plantas podem armazenar e utilizar as informações a partir da composição espectral da luz por vários dias ou mais, para antecipar as mudanças que podem aparecer no ambiente num futuro próximo, por exemplo, para a antecipação do ataque de patógenos.”

De acordo com o estudo, “as plantas podem realmente pensar e lembrar”

Além disso, planta não só possuem um mecanismo de recolha e processamento de informações, mas parecem exercer ação ou “escolha” diante de diferentes cenários:

“… Diferentes grupos de cloroplastos e células na mesma folha sob condições idênticas e constantes de luz estável, temperatura e condições de umidade relativa tem opiniões diferentes” do que fazer “em tais condições e testam diferentes cenários de possível desenvolvimento futuro”.

O estudo também oferece uma explicação para por que as plantas absorvem mais energia luminosa do que só o necessário para a fotossíntese:

“Outra possível resposta para a pergunta acima é um treino leve de folhas jovens imaturas. Vamos imaginar quando uma jovem folha ou flor está emergindo fora de uma planta, que seria bom para essa folha ou flor saber sobre as condições em que ela está emergindo. Folhas mais velhas, mais experientes que realmente são aclimatadas às condições externas podem treinar folhas emergentes jovens e imaturas com os PEPS [sinalização photoelectrophysiological] e mecanismos de memória celular de iluminação. Isso explica por que as plantas possuem uma capacidade natural para absorver mais energia luminosa do que o necessário para a assimilação fotossintética de CO2. Elas precisam dessa energia extra absorvida para treinamento e otimização da aclimação na luz e defesas imunológicas “.

Os autores deixam-nos com a conclusão provocadora:

Nossos resultados sugerem que as plantas são organismos inteligentes capazes de realizar uma espécie de processo de pensamento (entendida como ao mesmo tempo e sob condições de não-estresse são capazes de responder em vários cenários diferentes de possíveis futuras respostas definitivas), e capazes de memorizar esse treinamento. 17 Realmente folhas no escuro são capazes não só de “ver” a luz, 8,34 como também são capazes de lembrar diferentemente a composição espectral da luz e usar esta informação memorizada para aumentar a sua aptidão Darwiniana “.

Por que isso é uma importante descoberta?

Existem muitas razões pelas quais o reconhecimento da sensibilidade e da inteligência das plantas podem ter implicações positivas para o futuro da humanidade. Por um lado, isso ajuda a todos nós a transcender a visão de mundo dominante de que formas de vida não-humanas são melhor definidas em termos estritamente mecanicistas, e que a atribuição de uma “essência da vida” ou consciência para eles é uma forma de pensamento mágico. O filósofo francês Maurice Merleau-Pointy chama este mundo a ver a “Grande Contestação”, isto é, que tudo no universo é compreendido de objetos materiais externamente relacionados entre si, e com a consciência meramente uma subjetividade efêmera encontrada somente em seres humanos.

Pelo contrário, se nos abrirmos à possibilidade de que todos somos participantes de uma rede de vida interligada, como muitos povos indígenas acreditaram e realmente experimentaram coisas que eram, destruir o mundo natural simplesmente para servir o modelo essencial suicida de crescimento econômico infinito identifica a loucura que isso é. Se identificarmos, como a proposição do biólogo James Lovelock, a Terra deve ser entendida como um todo, mais como um organismo de auto regulação (hipótese Gaia), ou como o micologista Paul Stamet vê, que há uma internet baseada em fungos estabelecidos no solo conectando todos os seres vivos do planeta em uma rede de compartilhamento de informações, estaremos MENOS propensos a ambas as atitudes: perceber e tratar o mundo natural como “outros” a serem dominados.

Reconhecendo que as plantas, por exemplo, têm consciência, ou que a sua simples presença em nosso meio ambiente tem efeitos de cura, reintroduz um elemento de admiração e mistério de volta a experiência do mundo natural. Um exemplo perfeito disso pode ser encontrado nas plantas de canto da floresta sagrada de Damanhur. Pesquisadores Damanhurian em meados da década de 70 relataram o uso de equipamentos sob encomenda para capturar mudanças eletromagnéticas na superfície das folhas e raízes e transformá-los em sinais sonoros. Os pesquisadores também observaram que as plantas aprenderam a controlar suas respostas elétricas, indicando que tinham algum conhecimento básico sobre a música que elas estavam criando. Para saber mais, assista ao vídeo documentário no GreenMedTV, ou visite o site do projeto Damanhur, celebrando seu 40º aniversário.

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *