ESTUDO MOSTRA QUE ALUCINÓGENO PROMOVEU CONFORTO E ALÍVIO DA ANSIEDADE À PACIENTES COM CÂNCER

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Alucinógeno Conforta Pacientes Fatalmente Doentes em Pesquisa

cogumelos mágicos psilocibina

O alucinógeno psilocibina, encontrado nos ‘cogumelos mágicos‘ parece seguro para o tratamento da ansiedade sentida por pacientes que têm câncer terminal avançado, de acordo com um estudo publicado em 2010.

Os resultados do estudo em pequena escala, na Califórnia, forneceram evidência preliminar de que o composto psilocibina pode reduzir a ansiedade e melhorar o humor desses pacientes sem efeitos nocivos. Estudos separados estavam em andamento em duas universidades.

“Não houve efeitos adversos fisiológicos do tratamento e não houve efeitos adversos psicológicos”, disse o pesquisador do estudo Dr. Charles Grob, do Centro Médico Harbour-UCLA e do Instituto de Pesquisa Biomédica de Los Angeles, em Torrance. “Ninguém teve uma viagem ruim, Ninguém teve uma reação de ansiedade ruim”.

O estudo foi o primeiro em mais de 35 anos a examinar o uso de alucinógenos como terapia psiquiátrica para pacientes enfrentando a morte, de acordo com os pesquisadores. No entanto, Grob disse, “envolveu apenas uma dúzia de participantes, e a dose que receberam foi modesta.”

“Neste momento, estamos apenas com muito cuidado, cautelosamente abrindo a porta novamente a um modelo de pesquisa antigo que foi fechado há muitas décadas”, disse Grob.

O estudo foi publicado online no Archives of General Psychiatry, um jornal da American Medical Association.

Pesquisas sobre alucinógenos

A pesquisa psiquiátrica sobre alucinógenos foi conduzida na década de 1950 até a década de 1970 e mostrou resultados promissores, disse Grob. No entanto, foi interrompido após o uso recreativo popular levar a casos de abusos da substância, incluindo pessoas que sofreram distúrbios psicológicos. Como resultado, eles foram percebidos como um problema de saúde pública.

“Existiram complexidades nos anos 60 que eu acho que deixaram mais difícil de se lidar.

Na última década, os pesquisadores voltaram a examinar se os alucinógenos têm benefícios psiquiátricos”, disse Gorb.

Nesse estudo, 12 participantes com idades entre 36 e 58 anos, todos com câncer em estágio avançado, participaram de duas sessões de tratamento de seis horas que ocorreram com várias semanas de intervalo. Em uma sessão, os participantes receberam psilocibina, que tem efeitos psicológicos semelhantes ao LSD. No outro, eles receberam um placebo, a niacina, que tem alguns efeitos sobre o corpo, como rubor, mas não altera o estado de espírito de uma pessoa.

Depois de tomar a droga ou o placebo, os participantes deitaram e ouviram música durante várias horas, enquanto usavam vendas nos olhos. Eles foram entrevistados para avaliar as mudanças no seu humor e a ansiedade, e as entrevistas de acompanhamento prosseguiram por seis meses.

Benefícios medicinais

Os pacientes que tomaram psilocibina relataram uma redução geral em sua ansiedade durante os seis meses próximos, com a maior redução chegando do primeiro mês aos 3 meses. Também, uma diminuição significativa da depressão foi observada na marca de seis meses.

Os pacientes disseram que sentiram que a droga contribuiu para sua melhora emocional, disse Grob.

“Indivíduos afirmaram e nos disseram que acreditaram que era de grande valor”, disse Grob.

Pesquisas anteriores sobre alucinógenos usaram doses muito maiores de psilocibina, e os pesquisadores suspeitam que o efeito sobre a ansiedade pode ser mais nítido com doses maiores.

Dois outros estudos sobre as habilidades de redução da ansiedade de alucinógenos para aqueles com câncer de estágio avançado estavam sendo conduzidos na época na Universidade de Nova York e no Instituto Johns Hopkins, disse Grob, e esses pesquisadores têm permissão para usar doses um pouco maiores.

 “Seus resultados podem ser um avanço no nosso estudo, vamos ter que esperar e ver”, disse Grob na época.

O estudo da Califórnia foi financiado pelo Instituto de Pesquisa Heffter, a Fundação Betsy Gordon e a Fundação Nathan Cummings. [Via Live Science]

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *