MAIS DA METADE DE TODOS OS PRIMATAS ESTÃO AMEAÇADOS DE EXTINÇÃO

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Mais da metade de todos os primatas estão ameaçados de extinção

Uma gorila fêmea e um bebê de quatro meses chamado Kabila. Crédito: © Conservation International/photo by Russell A. Mittermeier

Um futuro sem primatas, a não ser humanos parece impensável? Não após uma extensa revisão de populações de macacos, tarsianos, lêmures e loris, que descobriu que 60% de todos os primatas estão ameaçados de extinção agora, e cerca de 75% estão em declínio.

Uma nova revisão, a mais abrangente do tipo até a data, publicada na Science Advances, desenha um terrível futuro para os nossos parentes biológicos mais próximos.

Sua única esperança depende da conservação global tornando-se uma prioridade imediata, diz a equipe internacional de autores.

“É possível que alguns primatas se extingam durante nossas vidas, se não aumentarmos nossos esforços dramaticamente”, disse Russell Mittermeier, à Seeker em um aeroporto de Madagascar. Ele é primatologista e o presidente da Conservation International.

Madagascar é um de apenas quatro países – dos quais o Brasil, a Indonésia e a República Democrática do Congo sendo os três primeiros – que acolhem dois terços de todas as espécies de primatas.

Mittermeier, que também é presidente do Grupo de Especialistas em Primatas da UICN / SSC, explicou que “os primatas são em grande parte animais da floresta tropical”, e esses países têm esse habitat, embora essas paisagens exuberantes estejam diminuindo em todo o planeta.

Uma espécie de macaco pode já ter sido extinta durante a sua vida: Miss Waldron`s macaco vermelho do colobus. Foi visto pela última vez em 1978.

Paul Garber, que co-liderou o novo estudo com Alejandro Estrada, disse: “Várias espécies de lêmures, macacos e macacos como o lemur de cauda, ​​o macaco-colobus Udzunga, o macaco de Yunnan, o langur branco, o gorila de Grauer – estão numa população de alguns milhares de indivíduos.”

primatas em extinção
Apenas alguns milhares de macacos com nariz chato de Yunnan ainda são deixados na natureza, de acordo com Paul Garber, da Universidade de Illinois, Urbana. Crédito: Paul. A. Garber

Garber acrescentou: “No caso do gibão de Hainan, uma espécie de macaco na China, resta menos de 30 animais”.

Agora contraste esses baixos números com a estimada população atual de seres humanos no planeta… Cerca de 7,4 bilhões.

Nossas ações estão por trás de todos os fatores que atualmente ameaçam as populações de primatas.

A UICN descobriu que a agricultura, a derrubada e extração madeireira, a criação de gado e fazendas, bem como a perda direta devido à caça e captura, constituem as principais ameaças. Ainda outras ameaças incluem a perda de habitat devido à construção rodoviária e ferroviária, perfuração e extração de petróleo e gás, poluição e alterações climáticas.

Reduzir o impacto de tais ameaças exigiria abordar questões relativas à pobreza local e crescimento populacional, disse Garber.

“Construir economias baseadas na preservação das florestas e seus habitantes primatas e ampliar as oportunidades educacionais para as mulheres começaria a tratar algumas das maiores ameaças a esses animais“.

Uma floresta convertida em campos de soja no Brasil.
Crédito: Rhett A. Butler

As soluções propostas, entretanto, precisarão de tempo substancial para se implementar, e os primatas estão ficando sem tempo. Dadas suas baixas populações, a maioria está “na última hora”, disse Garber.

Mittermeier concorda que os geradores de destruição dos primatas devem ser claramente tratados, “mas se isso for tudo o que fizermos, os primatas terão desaparecido antes que tenhamos o impacto desejado”.

“Precisamos de abordagens específicas, bem específicas para a conservação dos primatas, concentrando-nos nas regiões de maior prioridade, assegurando que as áreas protegidas funcionem onde elas já existam e criando outras novas onde elas não existam e realizando esforços direcionados aos mais ameaçados.”

Ele e seus colegas acentuam que os primatas não-humanos oferecem insights críticos sobre nossa própria evolução, biologia e comportamento. Eles são a chave para os ecossistemas de floresta tropical, com seu declínio afetando outras populações de animais, bem como plantas.

Na natureza, eles também beneficiam as economias locais, dado o crescimento do ecoturismo nos últimos anos. Mittermeier está mesmo esperançoso que a “observação de primatas” se torne tão popular ou mais do que a observação de pássaros, “para atrair mais pessoas para a floresta e ficarem mais animadas em ajudar a conservar”.

Madagascar, com suas 111 espécies e subespécies de primatas – 94% das quais estão em perigo – oferece oportunidades de ecoturismo particularmente gratificantes. Mittermeier explicou que o país foi isolado do resto do mundo por pelo menos 90 milhões de anos, então os primatas evoluíram lá para preencher muitos nichos ecológicos diferentes.

A conservação de primatas exige um esforço global, no entanto, com os governos locais e nacionais afetando o financiamento, atenção e esforço direcionado para a solução de problemas relacionados.

Quanto ao novo presidente norte-americano, Mittermeier disse: “Não creio que Donald Trump tenha prioridade na conservação dos primatas em sua lista de prioridades. Nós simplesmente não sabemos o que ele fará, e teremos que adotar uma abordagem de espera.”

Fonte:

Live Science, Seeker

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *