Tudo pela ciência: Religiosos participam de estudo com psilocibina

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Tudo pela ciência: Religiosos participam de estudo com psilocibina, a substância psicoativa dos cogumelos mágicos

Okay okay
Um padre, um rabino e um monge budista comem um monte de cogumelos psicodélicos…

Parece o começo de uma piada né? 😀

Mas na verdade, esses religiosos são voluntários na pesquisa pela Universidade Johns Hopkins, nos EUA.

O objetivo é testar como a psilocibina – substância psicoativa presente nos cogumelos mágicos – afeta o pensamento religioso de diferentes indivíduos.

Assim membros de muitas comunidades religiosas vão participar da iniciativa. Tudo em nome da ciência! Interessante não?

Vamos entender um pouco mais…

cogumelos mágicos x religião

Em outra de suas longas séries de experimentos, observando como a experiência espiritual altera o pensamento religioso de uma pessoa, a Universidade Johns Hopkins em Baltimore, Maryland, recrutou a assistência de um sacerdote, um rabino e um budista, além de muitos outros estudiosos religiosos, para buscar discernir os efeitos das drogas psicodélicas sobre a experiência religiosa.

 

Usando as, bem conhecidas propriedades psicoativas dos cogumelos psilocibínicos, os pesquisadores da respeitada universidade visam aumentar o corpo de conhecimento crescente que afirma que, em muitos casos, o uso de drogas psicodélicas é apropriado, especialmente quando se está a examinar sistemas de crença.

 

Representando uma grande variedade de fé, duas dúzias de estudiosos religiosos de todo o mundo receberão duas doses poderosas de psilocibina cuidadosamente refinada, o ingrediente psicoativo nos chamados cogumelos mágicos – ou Psilocybe por sua classificação taxonômica – dos quais há mais de 100 espécies distribuídas globalmente.

Com a psilocibina, essas experiências místicas profundas são bastante comuns“, afirmou o Dr. William Richards, psicólogo da Universidade Johns Hopkins, que trabalha no estudo.

“E isso pode ser de interesse, se não valioso, para o clero”, acrescentou Richards, em um relatório do The Guardian sobre a pesquisa científica.

Embora muitas organizações religiosas refutem o uso de substâncias naturais ilegais como um meio para experimentar diretamente a consciência religiosa – ao invés de interpretar mentalmente textos e dogmas existentes – vários padres católicos, ortodoxos e presbiterianos, bem como um budista zen e vários rabinos são voluntários do estudo. Mas nenhum muçulmano ou sacerdote hindu quis participar.

Antes de administrar o que são descritas como duas doses potentes, com um mês de intervalo, os participantes foram cuidadosamente selecionados.

Durante as sessões em que os estudiosos religiosos estiverem sob efeito psicodélico, com dois “guias” presentes, eles puderam deitar ou relaxar em um sofá ouvindo músicas religiosas por meio de um fone de ouvido e com vendas nos olhos, como um meio de aumentar a experiência espiritual interior.

O objetivo é “ir fundo e coletar experiências”, afirma Richards. Os membros da pesquisa foram orientados a transmitir seus sentimentos e observações descrevendo em tempo real. Documentando, na melhor das suas habilidades, a experiência sem palavras do infinito, traduzida através de seu conhecido treinamento religioso e capacidade de articular coerentemente.

“Até agora, todos valorizam incrivelmente sua experiência”, afirmou Richards, comentando a pesquisa em andamento.

“Ninguém ficou confuso ou chateado ou se arrependeu de fazê-lo”, acrescentou.

Os voluntários anônimos serão avaliados novamente um ano após a conclusão da pesquisa, de acordo com The Guardian.

“É muito cedo para falar sobre resultados, mas geralmente as pessoas parecem estar obtendo uma apreciação mais profunda de seu próprio patrimônio religioso”, comentou Richards.

“O dogma morto ganha vida para eles de forma significativa. Eles descobrem que eles realmente acreditam nas coisas que estão falando”, disse ele.

Atualmente, Richards observa uma mudança no pensamento, para longe  de sistemas de crenças específicos, em direção a uma espiritualidade universal.

Os estudiosos religiosos que participam do estudo “obtêm uma maior apreciação por outras religiões do mundo”, observou. “Outras maneiras de chegar até a montanha, se você quiser.”

Os pesquisadores da John Hopkins são apenas um dos muitos grupos científicos que fazem estudos de caso global, para incorporar drogas psicodélicas – incluindo psilocibina, LSD e MDMA – na cura do corpo emocional de uma pessoa e na conscientização espiritual.

A psilocibina dos cogumelos mágicos já foi cientificamente documentada como sendo efetiva para aliviar a ansiedade de pacientes com câncer no final de suas vidas.

Também foram documentados resultados muito positivos no uso de drogas psicodélicas para tratamento de pacientes diagnosticados com transtorno de estresse pós-traumático, alcoolismo e depressão severa.

*Fonte: sputiniknews.com

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *