Enorme buraco negro descoberto próximo ao coração da Via Láctea

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Enorme buraco negro descoberto próximo ao coração da Via Láctea

via láctea

Um enorme buraco negro 100 mil vezes maior que o Sol foi encontrado próximo ao coração da Via Láctea.

O novo buraco negro está categorizado como um massivo-intermediário; e caso tal classificação se mantenha, será o primeiro do tipo encontrado nesta galáxia.

Qual o tamanho do novo buraco negro?

Se os cientistas acertaram nos cálculos ele é 100 mil vezes mais massivo que o Sol e a segunda maior matéria da galáxia, depois do buraco negro mega supermassivo Sagittaruis A*, ancorado exatamente no centro dela.

E como encontraram?

Escondido e ainda sem nome o buraco negro recém descoberto estava entre uma nuvem de gases tóxicos que orbita o núcleo da Via Láctea.

Em artigo publicado na Nature Astronomy os cientistas da Universidade de Keio, no Japão, explicam como o encontraram tão longe – a quase 26 mil anos-luz de distância.

A suspeita foi intensificada quando outras observações captaram ondas de rádio vindas do centro da nuvem.

Então os astrônomos apontaram poderosos telescópios de ondas ALMA, localizados no deserto do Atacama, no Chile, para a nuvem de gás na busca de entender seu comportamento, pois ao contrário daqueles que compõem outras nuvens interestelares, os gases nesta nuvem – incluindo cianeto de hidrogênio e monóxido de carbono – movem-se em velocidades extremamente diferentes.

Eles observaram um movimento no qual os gases da nuvem são sistematicamente atraídos por uma imensa força gravitacional. E em acordo com os supercomputadores que ajudam o trabalho dos cientistas, essa atração gravitacional tem necessariamente que ser resultado de um buraco negro de até 1,4 trilhão de quilômetros de extensão.

Na Via Láctea, são conhecidos 60 desse tipo, mas especula-se que sejam pelo menos 100 milhões deles.

Importância da descoberta

Há dois tipos de buracos negros identificados pela ciência até hoje: os considerados normais e os massivos.

Considera-se que os buracos negros normais surgem da explosão de estrelas de grande massa quando morrem.

Buracos negros massivos são os maiores objetos cósmicos conhecidos pelo homem.

O Sagittarius A*, por exemplo, é 4 milhões de vezes mais massivo do que o Sol e considerado supermassivo.

“Esta é a primeira detenção de um buraco negro de massa intermediária na Via Láctea”,  explicou Tomoharu Oka, astrónomo da Universidade de Keio, em Tóquio.

Os astrônomos sabem que os maiores buracos negros estão normalmente no centro de grandes galáxias, como a Via Láctea. O que é desconhecido é como se formam esses buracos negros.

Uma teoria é que os buracos negros mais pequenos se juntam e acabam por ficar muito maiores, mas até agora nenhuma evidencia significativa foi encontrada para provar esta teoria.

“Pensamos que alguns buracos negros são a semente de onde crescem os grandes buracos negros pelo menos um milhão de vezes mais maciços. Esse crescimento acontece em parte pela fusão de vários buracos negros e também pelo acumular de material da galáxia que envolve o buraco negro”, explicou Brooke Simmons, da Universidade da Califórnia, em San Diego. Que apesar se não estar envolvido na pesquisa classificou-a como “um cuidadoso trabalho de detetive”.

Tomoharu Oka disse que com o tempo o recém-descoberto buraco negro irá afundar-se no Sagittarius A* o que o tornará um buraco negro ainda maior e mais maciço no centro da Via Láctea.

Sendo ainda um mistério ao certo o que causa o surgimento de buracos negros massivos, a observação de um do tipo intermediário pode ajudar no conhecimento dessa sopa cósmica de 4,5 bilhões de anos.

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *