Mãe encontra solução criativa para trabalho da escola de filha adotiva

Facebooktwitterpinterest

Mãe encontra solução criativa para trabalho da escola de filha adotiva

trabalho escola filha adotiva

Com uma camisa furada e um espelho, Junya Sant Anna criou imagem em que carrega Bárbara em sua barriga

Ao chegar da aula, Bárbara comunicou à mãe que a professora tinha pedido aos alunos a realização de uma atividade diferente para a escola — uma espécie de mini álbum. Nele, os alunos deveriam colocar fotos de quando ainda estavam na barriga de suas genitoras, do parto e de quando eram recém-nascidos. O único empecilho para a realização da atividade, no entanto, era que Junya Sant Anna não teria como colocar imagens da gravidez no trabalho da filha pois adotara a menina quando ela tinha quatro meses, e não possuía fotos da mãe biológica grávida.

Foto produzida por Junya e Bárbara
Em entrevista nesta sexta-feira (27) ao programa Timeline, da Rádio Gaúcha, Junya afirmou que, após ficar mais ou menos uma semana pensando em como resolveria a demanda de uma forma divertida e prazerosa, teve uma ideia:
— Eu disse: “filha, nós vamos ter de fazer o seguinte, você vai ter de entrar dentro da minha barriga” — conta a mãe, que mora em Belo Horizonte.
Para a produção da imagem, ela encontrou a seguinte solução: pegou uma camisa usada e fez um buraco na parte de frente da roupa para que a menina pudesse encaixar a cabeça e, assim, passar a impressão que estava dentro da barriga de Junya. Posicionadas em frente a um espelho, as duas tiraram a foto.
— Ela se divertiu horrores — diz a mãe.
O objetivo, segundo Junya, era não deixar a filha de fora da atividade da escola, uma vez que ninguém sabia que ela era adotada.
— É quebra de paradigma. A gente não tem que ficar preso ao conceito de mãe, pai. Hoje, nós temos um contexto familiar muito diversificado, né. A gente vê as adoções homoafetivas, (quando) eu adotei Bárbara eu estava divorciada, ou seja, eu era mãe solteira — afirma Junya.
Na escola, o trabalho de Bárbara fez sucesso, virando case na instituição. Segundo a mãe, inicialmente houve grande curiosidade por parte dos colegas devido ao fato de a menina ser negra e a mãe, branca.
— Como ela leva isso com muita naturalidade, porque absorve isso em casa, flui mais tranquilo entre crianças, porque criança é muito mais fácil, né, a gente (adulto) é que complica — conta Junya. Via[GaúchaZH]

Imagem: Edward Foster

Um Feliz “Dia das Mães” pra todos!
Facebooktwitterpinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *