A Maestria sobre a própria vida

Facebooktwitterpinterest

A maestria sobre a própria vida

A maestria sobre a própria vida é um direito de todos.
Conseguir sentir-se como o mestre de sua própria vida só é possível com a completa liberação dos sentimentos de orgulho e de egoísmo, de arrogância e de ganância, de raiva e de apego, assim como dos hábitos de comparação ou de julgamento de outros em seus mais diversos papéis e estágios evolutivos. Quando conseguimos isso, elevamos nossa consciência.

Na prática como conseguir isso?
Em uma palavra: Sintonia!
Sem ela não se dá dez passos numa determinada direção, sem se deixar atrair por cenas laterais e perder a harmonia que a sintonia nos proporciona.
Somos seres interativos por natureza.
Não somos seres isolados do todo, muito pelo contrário, fazemos parte atuante do todo, em todos os níveis, então como conseguir manifestar a sua própria individualidade num mundo onde a cada instante estamos interagindo com tudo e todos que nos cercam?

A resposta é simples: tomando o que há mais elevado em nossas consciências como referência; isso conduzirá a manifestações mais próximas de nossa própria identidade.
Mas a maneira de explicar a resposta não é tão simples se usarmos apenas a razão. Esta deve ser usada sim, mas junto dela devemos fazer uso da intuição também!
Torna-se bem mais simples quando fazemos isso: a maestria “acontece” quando o ser está em sintonia consigo próprio e isso apenas ocorre quando conseguimos, de início, um mínimo de sintonia com com Deus e com o tempo, uma sintonia crescente. Aí a intuição, aliada à razão, funciona como um canal que nos ‘aponta’ aquilo que é verdadeiramente relevante, a ponto de exercitamos a maestria sobre nossas vidas!

Quando isso é exercitado no dia a dia, ocasionamos menos desgastes e menos usos indevidos de energia em nossas vidas, simplesmente porque percebemos o que tem a ver ou e o que não tem, o que é ‘barulho externo’, produto de consciências em desarmonia e desconectadas de Deus e se teria alguma razão no mundo para você ser um canal de propagação daquilo que não tem nada a ver com o que você acredita ou quer para o mundo em que vive. Se não, então por que sintonizar-se com aquilo que, intimamente, você sabe claramente, que não deve?

AS SINTONIAS CORRETAS NOS RECOLOCAM SEMPRE NO RUMO CORRETO!

Texto: Herbert Santos Silva
Fonte: intuicao.com

Facebooktwitterpinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *