Comer cogumelos reduz risco de depressão, indica estudo

Facebooktwitterpinterest

Estudo publicado na revista científica Journal of Affective Disorders indica que comer cogumelos reduz o risco de depressão. 

Os pesquisadores da Penn State University usaram dados sobre dieta (especificamente a frequência de ingestão de cogumelos) e saúde mental de mais de 24.000 adultos americanos, coletados entre 2005 e 2016. 

Como os cogumelos contêm vários compostos bioativos que podem estar associados à redução da ansiedade, incluindo B12, fator de crescimento do nervo, antioxidantes e agentes anti-inflamatórios, os pesquisadores chegaram na hipótese de que comer cogumelos reduz o risco de depressão

Outra hipótese possível é a presença de potássio neste alimento. Algumas pesquisas associam o potássio à redução da ansiedade.

“Os cogumelos são a maior fonte dietética do aminoácido ergotioneína – um anti-inflamatório que não pode ser sintetizado por humanos.

Ter altos níveis disso pode diminuir o risco de estresse oxidativo, o que também pode reduzir os sintomas de depressão.” 

Dr. Djibril Ba, Ph.D., M.P.H., principal autor do estudo.

Os participantes do estudo tinham em média 45 anos, e a maioria 66% eram brancos não hispânicos. 

Os pesquisadores observaram uma relação significativa entre comer cogumelos e menor probabilidade de depressão após analisarem os dados sociodemográficos, principais fatores de risco, doenças autorreferidas, medicamentos e outros fatores dietéticos. 

O estudo sugere que uma ingestão média seria o ideal para o alívio da depressão:

  • A incidência geral de depressão no estudo foi de 5,9%. Consumidores de cogumelos constituíram 5,2% dos participantes.
  • Os pesquisadores dividiram esses comedores de cogumelos em 3 grupos de acordo com a quantidade de consumo de cogumelos.
  • Aqueles que comeram uma quantidade média de cogumelos (4,9 gr por dia) foram o único grupo a experimentar uma redução na probabilidade de depressão. Não houve redução semelhante na depressão para aqueles que mais consumiam cogumelos (19,6 gr por dia).

Ou seja, a princípio não se descobriu nenhum benefício adicional na ingestão relativamente alta de cogumelos. 

Então, não precisa exagerar 🙂 
Uma alimentação equilibrada é o melhor.

Devo substituir a carne por cogumelos para afastar a depressão? 

A equipe de pesquisa conduziu uma análise secundária para ver se o risco de depressão poderia ser reduzido substituindo uma porção de carne vermelha ou processada por uma porção de cogumelos a cada dia. 

Mas as descobertas mostram que essa substituição não foi associada a um menor risco de depressão. 

Os pesquisadores notaram algumas limitações que poderiam ser abordadas em estudos futuros, incluindo o fato de que os dados usados não forneciam detalhes sobre os tipos de cogumelos consumidos

Os pesquisadores analisaram dados do National Health and Nutrition Examination Survey 2005-2016, e os códigos alimentares do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos foram usados para determinar a ingestão de cogumelos. 

Dessa forma, não conseguiram determinar os efeitos de cada tipo de cogumelo na depressão. 

Antes desta pesquisa, poucos estudos examinaram a relação entre uma alimentação rica em cogumelos e depressão, e a maioria foram ensaios clínicos com menos de 100 participantes. 

Este estudo destaca a importância clínica e potencial para a saúde pública do consumo de cogumelos como meio de reduzir a depressão e prevenir outras doenças. 

Dieta e Saúde Mental 

Embora este estudo tenha focado em cogumelos, muitos estudos médicos examinaram a relação entre saúde mental e dieta.  

Um estudo realizado em 2012 descobriu que a mudança para uma dieta vegetariana pode realmente melhorar o humor

Dos 39 participantes, os pesquisadores descobriram que os onívoros relataram ter mais humores negativos – como ansiedade, estresse e depressão – do que os vegetarianos, possivelmente devido ao alto teor de ácido araquidônico da carne, um componente que cria mudanças cerebrais que afetam a disposição. 

Além disso, outro estudo descobriu que o consumo frequente de fast food e doces processados pode aumentar o risco de depressão. 

Dos quase 9.000 participantes, os pesquisadores descobriram que os indivíduos que comeram mais fast food (como hambúrgueres e pizza) e produtos assados (donuts, croissants e outros doces) tinham 51% mais probabilidade de desenvolver depressão. 

Como Hipócrates já escrevia: 

“Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio.” 

Via VegNews 

Facebooktwitterpinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.