COMO OS PSICODÉLICOS SALVARAM MINHA VIDA

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Como os Psicodélicos Salvaram minha vida

38863866

Por Amber Lyon

-1460795528
Amber Lyon é ganhadora do prêmio Emmy Award ex-correspondente da CNN de reportagens investigativas.

Convido-vos a dar um passo atrás e limpar sua mente de décadas de propaganda falsa. Os governos de todo o mundo mentiram para nós sobre os benefícios medicinais da maconha. O público também foi enganado sobre os psicodélicos.

Estas substâncias não viciantes: MDMA, a ayahuasca, a ibogaína, cogumelos com psilocibina, peyote, e muitas mais – são comprovadamente rápidas e eficazes para ajudar as pessoas a curar trauma, Transtorno de Estresse Pós-Traumático, ansiedade, dependência e depressão.

Os Psicodélicos salvaram minha vida.

Minha experiência com a ansiedade e sintomas de estresse pós-traumático

Falando em uma conferência de imprensa no Líbano sobre os abusos dos direitos humanos que testemunhei ao reportar no Bahrein.
Falando em uma conferência de imprensa no Líbano sobre os abusos dos direitos humanos que testemunhei ao reportar no Bahrein.

Eu fui atraída para o jornalismo numa idade jovem pelo desejo de fornecer uma voz para um ‘pequeno cara’. Por quase uma década trabalhando como correspondente investigativa da CNN e jornalista independente, eu me tornei uma porta-voz para os oprimidos, vitimados e marginalizados. Meu caminho de submersão no jornalismo me trouxe mais próxima da condição das minhas fontes, vivendo a história para obter uma verdadeira compreensão do que estava acontecendo.

Após vários anos de relatos, percebi uma consequência infeliz do meu estilo – eu tinha mergulhado muito profundamente no trauma e no sofrimento das pessoas que eu entrevistei. Comecei a ter problemas para dormir com seus rostos aparecendo em meus sonhos mais obscuros. Eu passei muito tempo absorvida em um mundo de desespero e minha incapacidade para desviá-lo permitiu o trauma dos outros se estabelecer dentro de minha mente e ser. Combinando isso com várias experiências violentas, enquanto atuava em campo e eu estava no meu pior. Uma vida de relatos sobre extremos tinha me levado à beira da minha própria sanidade.

Por eu não poder encontrar uma maneira de processar a minha angústia, isso se transformou em um monstro, manifestando-se em um estado constante de ansiedade, perda de memória de curto prazo, insônia e hiper excitação. As palpitações cardíacas me fizeram sentir como se eu estivesse batendo na porta de morte.

Porque eu escolhi Medicamentos drogas Psicodélicos

Enquanto na CNN, investiguei os direitos humanos e as questões ambientais.
Enquanto na CNN, investiguei os direitos humanos e as questões ambientais.

A prescrição de medicamentos antidepressivos serve a um propósito, mas eu sabia que eles não eram meu caminho de cura depois de minhas investigações exporem seus efeitos colaterais sinistros, incluindo o nascimento de bebês dependentes dos medicamentos após suas mães não conseguirem largar o vício neles. Mascarar os sintomas de uma doença mais profunda com uma pílula eu sinto que é como colocar um Band-aid num ferimento à bala.

Eu estava ciente dos potenciais poderes de cura de psicodélicos como convidada no podcast de Experiência de Joe Rogan em outubro de 2012. Joe me disse que cogumelos psicodélicos transformaram sua vida e tinham o potencial de mudar o curso da humanidade para melhor. Minha reação inicial foi ficar incrédula e achar graça, mas a semente foi plantada.

Os psicodélicos foram uma escolha estranha para alguém como eu. Eu cresci no meio-oeste e fui alimentada por 30 anos de propaganda explicando o quão horrível estas substâncias eram para a minha saúde. Você pode imaginar a minha surpresa de cair o queixo quando, após o podcast de Rogan, encontrar artigos sobre os efeitos prodigiosos destas substâncias que se comportam mais como medicamentos do que as drogas. Artigos como este, este, este, este e este. E estudos como este, este, este, este, este … e este … todos exemplos angustiantes de como temos sido enganados por autoridades que classificam psicodélicos como relação 1 narcóticos, que não tem “nenhum valor medicinal”, apesar de dezenas de estudos científicos provando o contrário.

Viajando ao redor do mundo

A bebida ayahuasca é preparada através da combinação de folhas de chacrona, que contêm a poderosa DMT psicodélica, com a videira ayahuasca.
A bebida ayahuasca é preparada através da combinação de folhas de chacrona, que contêm a poderosa DMT psicodélica, com o cipó ayahuasca.

Tendo fumado apenas ocasionalmente a marijuana na faculdade, em março 2013 eu encontrei-me embarcando em um avião para Iquitos, Peru para tentar um dos mais poderosos psicodélicos da terra. Deixei meu carro no aeroporto, às pressas embalei meus pertences em uma mochila e me dirigi até a selva amazônica colocando minha fé cega em uma substância que uma semana atrás eu mal podia pronunciar: ayahuasca.

Ayahuasca é um chá medicinal que contém a dimetiltriptamina composto psicodélico, ou DMT. A bebida está se espalhando rapidamente por todo o mundo depois de inúmeras histórias terem mostrado que a bebida tem o poder de curar a ansiedade, TEPT, depressão, dor inexplicável, e inúmeros problemas de saúde física e mental. Estudos de consumidores de ayahuasca de longo prazo mostram que eles são menos propensos a enfrentar vícios e têm níveis elevados de serotonina, o neurotransmissor responsável pela felicidade.

Se eu tinha quaisquer reservas, dúvidas, ou descrenças, elas foram rapidamente expulsas pouco depois da minha primeira experiência com ayahuasca. O chá com gosto ruim vibrou através de minhas veias e em meu cérebro como se o medicamento lesse meu corpo. Meu campo de visão tornou-se repleto com cores fortes e padrões geométricos. Quase instantaneamente, eu vi uma visão de uma parede de tijolos. A palavra “ansiedade” foi pichada em letras grandes na parede. “Você tem que curar a sua ansiedade” a substância sussurrou. Entrei em um estado de sonho onde as memórias traumáticas foram finalmente desalojadas do meu subconsciente.

Era como se eu estivesse vendo um filme de toda a minha vida, não como um eu emocional, mas como um observador objetivo. Um filme vividamente introspectivo ligado em minha mente enquanto eu revivi minhas mais dolorosa cenas – o divórcio dos pais quando eu tinha apenas 4 anos de idade, relacionamentos passados, ser baleada pela polícia ao fotografar um protesto em Anaheim e ficar esmagada sob de uma multidão ao fotografar um protesto em Chicago. A ayahuasca me habilitou para reprocessar esses eventos, separando o medo e a emoção das lembranças. A experiência foi semelhante a dez anos de terapia em uma sessão com ayahuasca de oito horas.

Mas a experiência, e em muitas experiências psicodélicas o assunto foi aterrorizante às vezes. Ayahuasca não é para todos – você tem que estar disposto a revisitar alguns lugares muito escuros e render-se ao incontrolável, o fluxo feroz do medicamento. Ayahuasca também provoca vômitos violentos e diarreia, que os xamãs chamam de “ficando bem”, porque você está removendo o trauma de seu corpo.

Depois de sete sessões de ayahuasca nas selvas do Peru, o nevoeiro tomou conta de minha mente elevada. Eu era capaz de dormir novamente e notei melhorias na minha memória e menos ansiedade. Eu ansiava para absorver o máximo de conhecimento possível sobre estes medicamentos e passei o próximo ano viajando pelo mundo em busca de mais curadores, professores e experiências através da imersão no jornalismo.

Eu fiquei atraída em tentar cogumelos com psilocibina depois de ler como eles reduziram a ansiedade em pacientes com câncer terminal. A ayahuasca me mostrou que a minha principal doença era a ansiedade, e eu sabia que ainda tinha trabalho a fazer para corrigi-la. Cogumelos que contém psilocibina não são neurotóxicos, não viciam, e os estudos mostram que eles reduzem a ansiedade, depressão e até mesmo levam a neurogênese (crescimento de células cerebrais). Por que os governos em todo o mundo mantem tais fungos profundamente fora do alcance de seu povo?

A curandeira, me abençoa para eu consumir uma folha cheia de cogumelos com psilocibina para a cerimônia de cura.
A curandeira, me abençoa para eu consumir uma folha cheia de cogumelos com psilocibina para a cerimônia de cura.

Depois do Peru, visitei curandeiras, ou curandeiros, em Oaxaca, México. Os astecas usaram cogumelos com psilocibina como sacramento e medicinalmente durante centenas de anos. A curandera Dona Agostinho serviu-me uma folha cheia de cogumelos durante uma cerimônia bonita diante de um altar católico. Enquanto ela cantava canções de mil anos de idade, eu assisti o pôr do sol sobre a paisagem montanhosa em Oaxaca e um profundo sentimento de conectividade tomou conta de todo o meu ser. A beleza inata fez-me numa perda de palavras; um derramamento súbito de emoção fez-me em lágrimas. Chorei durante a noite e com cada lágrima uma pequena parte do meu trauma escorria pelo meu rosto e era dissolvido no chão da floresta, libertando-me de sua energia tóxica.

Cogumelos de psilocibina não são neurotóxicos, não causam dependência, e um estudo da Universidade do Sul da Flórida mostra que eles podem reparar danos cerebrais de trauma.
Cogumelos de psilocibina não são neurotóxicos, não causam dependência, e um estudo da Universidade do Sul da Flórida mostra que eles podem reparar danos cerebrais de trauma.

Talvez o mais surpreendente seja que os cogumelos silenciaram a parte autocrítica da minha mente tempo suficiente para me por a reprocessar memórias sem medo ou emoção. Os cogumelos permitiram-me lembrar de um dos momentos mais terríveis da minha carreira: quando foi detida com uma arma no Bahrein durante as filmagens de um documentário para a CNN. Eu tinha perdido qualquer lembrança detalhada desse dia, quando homens mascarados apontaram armas em nossas cabeças e forçaram minha tripulação e eu a deitarmos no chão. Durante uma meia hora, eu não sabia se íamos sobreviver.

Passei muitas noites sem dormir desesperadamente à procura de memórias daquele dia, mas elas foram trancadas em meu subconsciente. Eu sabia que as memórias ainda me assombravam porque sempre que eu via ‘gatilhos’ do TEPT, como ruídos altos, helicópteros, soldados ou armas, uma onda de ansiedade e pânico inundava meu corpo.

A psilocibina foi a chave para desbloquear o trauma, permitindo-me reviver o momento a momento da detenção do lado de fora do meu corpo, como observador, sem emoção, objetiva. Olhei para a van da CNN e vi meu antigo eu estar no banco de trás, helicópteros barulhentos em cima. Meu produtor Taryn estava sentado à minha direita freneticamente tentando fechar a porta da van enquanto nós tentavamos fazer uma fuga. Ouvi Taryn gritar “armas!”, Quando homens mascarados armados saltaram dos veículos de segurança em torno da van. Eu vi como eu freneticamente me encurvei atrás de uma mochila no chão, agarrando o meu cartão de identificação CNN e saltei para fora da van. Eu me vi cair no chão na pose da criança, poeira cobrindo meu corpo e rosto. Eu vi quando eu joguei minha mão com o crachá da CNN no ar acima da minha cabeça gritando “CNN, CNN, não atire !!!”

Eu vi a dor em meu rosto quando as forças de segurança atiraram o ativista de direitos humanos e querido amigo Nabeel Rajab contra um carro de segurança e começaram a perturbá-lo. Vi o terror no meu rosto quando eu olhei para minha camisa, braços no ar, rezando para os cartões de vídeo escondidos no meu corpo não caírem no chão.

Durante a cerimônia a psilocibina desbloqueia memórias traumáticas armazenados no fundo do meu subconsciente para que eu possa processá-las e curar. A experiência é intensamente introspectiva.
Durante a cerimônia a psilocibina desbloqueia memórias traumáticas armazenadas no fundo do meu subconsciente para que eu possa processá-las e curar. A experiência é intensamente introspectiva.

Como eu revivia cada momento da detenção, eu reprocessei cada memória movendo-o da pasta “medo” para a sua nova casa permanente na pasta “seguro”, no disco rígido do meu cérebro.

Cinco cerimônias com cogumelos psilocibina curaram minha ansiedade e os sintomas de TEPT. As borboletas que tinham morada constante no meu estômago voaram para longe.

Psicodélicos não são o estado final e todo o fim. Para mim, eles foram a chave que abriu a porta para a cura. Eu ainda tenho que trabalhar para manter a cura com o uso de tanques de flutuação, meditação e yoga. Para psicodélicos serem eficazes, é essencial que seja adotada uma mentalidade certa, num ambiente tranquilo e descontraído propício para a cura, e que todas as potenciais interações com medicamentos de prescrição sejam cuidadosamente pesquisadas. Pode ser fatal se Ayahuasca for misturada com antidepressivos prescritos.

Fui abençoada com uma natureza inquisidora e uma teimosia a questionar sempre a autoridade. Se eu tivesse optado pelo roteiro de um médico e me deteria na esperança de que as coisas só iriam ficar melhores, eu nunca teria descoberto os limites exteriores da minha mente e coração. Se eu tivesse bebido o Kool-Aid e acreditasse que todas as “drogas” eram más e não tivessem valor de cura, eu ainda poderia estar no meio de uma batalha com o TEPT.

A criação do Reset.me

Lyon e um cientista cortando estômago de peixes para inspecionar o lixo excessivo de plástico durante as filmagens de um documentário sobre a poluição dos oceanos.
Lyon e um cientista cortando estômago de peixes para inspecionar lixo plástico durante as filmagens de um documentário sobre a poluição excessiva dos oceanos.

Este mesmo mundo que exalta a guerra, a violência, o mercantilismo, a destruição ambiental, e sofrimento proibiu algumas das chaves mais profundas para a paz interior. A guerra contra as drogas não é baseada em ciência. Se fosse, duas das drogas mais mortais na terra – o álcool e o Tabaco seriam ilegais. Aqueles que sofrem de trauma tornaram-se vítimas desta guerra falha e perderam uma das maneiras mais eficazes de se curar.

A humanidade tem como resultado enlouquecido.

Passei dez anos testemunhando a insanidade coletiva como jornalista nas fronteiras de guerras -, derramamento de sangue, destruição do meio ambiente, a escravidão sexual, mentiras, apego, raiva, medo.

Mas eu tinha errado jornalisticamente. Eu vinha vindo a apostar nos sintomas de uma sociedade doente, em vez de atacar a causa raiz: traumas não transformados.

Todos nós temos traumas. O trauma repousa no criminoso violento, no esposo que engana, no político corrupto, naqueles que sofrem de doença mental, vícios, dentro daqueles com medo demais de assumir riscos e atingir seu pleno potencial.

Se não for devidamente processado e purificado, o trauma torna-se fixado no disco rígido da mente, crescendo como um parasita escuro que eleva sua cabeça feia durante toda a vida de uma pessoa. As feridas nos manter trancados em um grade de medo, preso atrás de uma personalidade que não é verdade para a alma, trabalhando em um emprego mundano em vez de seguir uma paixão, repetindo um ciclo de abuso, destruição do meio ambiente, prejudicando um ao outro. O sofrimento mais comum e grave é infligido durante a infância e sequestra o lugar do motorista na idade adulta, guiando um indivíduo por uma estrada privada de felicidade. Renomado especialista em dependência Gabor Mate diz: “A principal causa de grave dependência de substância é sempre trauma de infância”.

Vivemos em um mundo cheio de feridas e, quando não tratadas, elas vão sem a menor cerimônia sendo transmitidas de uma geração para a próxima, assim o ciclo de trauma continua em toda a sua brutalidade destrutiva.

Mas há esperança. Podemos transformar o curso da humanidade, purgando coletivamente nossa dor e cura a nível individual, com a ajuda de medicamentos psicodélicos. Uma vez que nós coletivamente nos curarmos a nível individual, veremos dramática transformação positiva na sociedade como um todo.

Fundei o site reset.me, para produzir um jornalismo focado sobre a consciência, medicamentos naturais e terapias. O explorador psicodélico Terrence McKenna comparou tomar psicodélicos como apertar o ‘botão de reset’ no seu disco rígido interno, limpando o lixo, e começando de novo. Eu criei o reset.me para ajudar a conectar aqueles que precisam encontrar o botão ‘reset’ na vida com o jornalismo cobrindo as ferramentas que nos permitem curar.

Esta é uma crise de direitos humanos, psicodélicos não seren acessíveis à população em geral. É uma loucura que os governos em todo o mundo tenham proibido justamente os medicamentos que podem emancipar nossas almas do sofrimento.

É hora de parar a loucura.

Via reset.me

Interessado em adquirir cogumelos no Brasil? A CoguFarm produz cogumelos da melhor qualidade e disponibilizam para a venda em sua e-shop:

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

One thought on “COMO OS PSICODÉLICOS SALVARAM MINHA VIDA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *